SET RAP NACIONAL OLDSCHOOL

terça-feira, 4 de outubro de 2011

NOTORIOUS BIG A HISTÓRIA




Christopher nasceu em Bed-Stuy, Brooklyn, New York. Desde jovem já traficava drogas em Bedford-Stuyvesant. Quando abandonou sua vida criminal, acabou por virar um rapper. Lançou o criticamente aclamado álbum Ready To Die em 1994, e se converteu na principal figura do rap da Costa Leste dos E.U.A. que tanto rivalizava com a Costa Oeste, então liderada pelo rapper Tupac Shakur. Notorious Big e Tupac tentavam realizar o que parecia impossível: uma união de amizade entre os rappers da Costa Leste e a Oeste, mas quando Tupac sofre um atentado dentro da gravadora de Notorious as coisas mudam e este passa a ver Notorious como um inimigo.
Em 4 de Agosto de 1994, Christopher Wallace casou-se com a cantora Faith Evans. Quatro dias depois, Wallace teve seu primeiro sucesso nas paradas pop como um artista solo com o duplo A-side "Juicy / Unbelievable", que alcançou a posição 27.º como primeiro single de seu álbum de estreia.
Ready to Die foi lançado em 13 de setembro de 1994, e alcançou a posição 13.º na Billboard 200, chegando a ser certificado platina quatro vezes. O álbum, lançado numa época em que o hip hop da Costa oeste era destaque nas listas de vendas dos Estados Unidos, segundo a Rolling Stone, "quase sozinho ... mudou o foco de volta ao rap da Costa Leste". Ganhou opiniões fortes sobre o lançamento e tem recebido muitos elogios em retrospetiva. Além de "Juicy", o registro produziu dois singles, o platina "Big Poppa", que alcançou a posição 1.º na lista de vendas de álbuns de rap nos Estados Unidos, e "One More Chance" com Faith Evans, um remix que se tornou seu single mais vendido.
Em agosto de 1995, o grupo de Wallace, Junior MAFIA ("Junior Masters At Finding Intelligent Attitudes"), composto por seus amigos de infância, lançou seu primeiro álbum intitulado Conspiracy. O grupo incluía rappers como Lil 'Kim e Lil Cease ", que passaram a ter uma carreira solo. O registro foi ouro e seus singles, "Player's Anthem" e "Get Money", ambos com Wallace, foram ouro e platina. Wallace continuou a trabalhar com artistas R&B, colaborando com grupos da Bad Boy 112 (em "Only You") e Total (em "Can't You See"), com ambas atingindo o top 20 da Billboard Hot 100.
Até o final do ano, Wallace foi o artista solo mais vendido do sexo masculino e rapper nas paradas de pop e r&b. Em Julho de 1995, ele apareceu na capa da The Source, com o título "O Rei de Nova York Domina Tudo". Na The Source Awards, ele foi nomeado Melhor Artista Novo (Individual), Letrista do Ano, Performista ao Vivo do Ano, e seu álbum de estréia do ano. Na Billboard Awards, ele foi artista de rap do ano. Em seu ano de sucesso, Wallace se envolveu em uma rivalidade com o West Coast hip-hop de Tupac Shakur, seu ex-associado. Em entrevista à revista Vibe, em Abril de 1995, enquanto servia o tempo em Clinton Correctional Facility, Shakur acusou Sean Combs (Diddy), e Wallace de terem conhecimento prévio de um assalto que resultou em ele ter sido baleado várias vezes e perder milhares de dólares em jóias na noite de 30 de novembro de 1994. Apesar de Wallace e sua comitiva estarem no mesmo estúdio de gravação baseado em Manhattan, no momento da ocorrência, eles negaram a acusação.
“              O fato de eu estar no estúdio na hora do incidente foi só uma coincidência. Pac não pôde dizer quem realmente fez isso com ele naquela hora. Assim, ele simplesmente jogou a culpa em mim.     ”
Após sair da prisão, Tupac assinou com a Death Row Records em 15 de Outubro de 1995. Bad Boy Records e Death Row, agora rivais nos negócios, se envolveram em uma briga intensa.
A carreira de B.I.G. estava marcada pelas contínuas disputas entre as gravadoras Bad Boy Records e Death Row Records, quando B.I.G. foi apontado supostamente como o indiretamente responsável pela morte de Tupac Shakur, no dia 7 de Setembro de 1996, porque Tupac, em uma de suas letras revela que teve relações sexuais com Faith Evans, a esposa de B.I.G.
Durante as sessões de gravação de seu segundo álbum, provisoriamente chamado "Life After Death ... 'Til Death Do Us Part, mais tarde encurtado para Life After Death, Wallace foi envolvido em um acidente de carro que quebrou sua perna esquerda e limitou-lo a um cadeira de rodas. A lesão obrigou-o a usar uma bengala.
Em janeiro de 1997, Wallace foi condenado a pagar 41 mil dólares em danos na sequência de um incidente envolvendo um amigo de um promotor de shows que afirmou que Wallace e sua comitiva o espancaram devido a um incidente em maio de 1995. Ele enfrentou acusações de agressão criminal pelo incidente que continuam sendo averiguadas, mas todas as acusações de furto qualificado foram descartados. Na sequência dos acontecimentos do ano anterior, Wallace falou do desejo de se concentrar em sua "paz de espírito". "Minha mãe ... meu filho ... minha filha ... minha família ... meus amigos são o que importam para mim a partir de agora".
Wallace viajou para a Califórnia em fevereiro de 1997 para promover seu próximo álbum e gravar um videoclipe de seu single, "Hypnotize". Em 05 março de 1997 Wallace deu uma entrevista de rádio com The Dog House em KYLD em San Francisco, Califórnia. Na entrevista, ele afirmou que havia contratado um segurança uma vez que temia por sua vida, mas isso era porque ele era uma figura da celebridade, não especificamente um rapper. Life After Death foi agendado para lançamento em 25 de março de 1997. Em 8 de março de 1997, ele apresentou um prêmio de Toni Braxton no 11 º Annual Soul Train Music Awards, em Los Angeles e foi vaiado por algumas pessoas da platéia. Após a cerimônia, após Wallace participar de uma festa organizada pela revista Vibe e Qwest Records no Museu Automotivo Petersen, em Los Angeles. Outros convidados incluíram Faith Evans, Aaliyah, Sean Combs e alguns membros das gangues Crips e Bloods.
Em 09 março de 1997, por volta das 00:30, Wallace foi com sua comitiva em dois Chevrolet Suburbans regressar ao seu hotel após o Corpo de Bombeiros encerrar a festa mais cedo, devido à superlotação. Wallace viajou no banco do passageiro da frente ao lado de seus companheiros, Damion "D-Roc" Butler, o membro do Junior M.A.F.I.A. Lil Cease e Gregory "G-Money" Young. Combs viajou em outro veículo com três guarda-costas. Os dois carros foram guiados por uma Chevrolet Blazer que leveva o diretor de segurança da Bad Boy.
Por volta das 00:45 as ruas estavam cheias de pessoas que estavam saindo do evento. O carro de Wallace parou em um sinal vermelho à (46 m) de um museu. Um Chevrolet Impala preto parou ao lado do carro de Wallace. O motorista da Impala, um homem Afro-americano que vestia um terno azul e gravata borboleta, baixou a janela, sacou uma pistola de 9 milímetros de aço azul e disparou contra o Suburban, quatro balas atingiram Wallace no peito. Os parceiros de B.I.G. levaram ele no Centro Médico Cedars-Sinai, mas ele foi declarado morto às 01h15
Biggie também trabalhou com Michael Jackson. Em 1995, compôs e cantou um rap para a canção "This Time Around" do megastar, e cerca de dois anos depois, estrelou a faixa "Unbreakable", porém esta só seria lançada em 2001, no disco Invincible.
Discografia
1994 - Ready to Die
1997 - Life After Death
1999 - Born Again
2005 - Duets: The Final Chapter
2007 - Greatest Hits
2009 - Notorious
Singles
1994 - Juicy 
1995 - Big Poppa 
1995 - One More Chance (feat. Faith Evans) 
1997 - Hypnotize 
1997 - Mo' Money Mo' Problems (feat. Mase & Diddy)
1997 - Sky's the Limit (feat. 112)
1999 - N.O.T.O.R.I.O.U.S (feat. Diddy & Lil' Kim)
2000 - Dead Wrong (feat. Eminem)
2005 - Nasty Girl (feat. Diddy, Nelly, Jadge Edge & Avery Storm)
Prêmios
VMA 1994 - Ready to Die - Melhor Album do ano
VMA 1994 - Melhor Cantor de Rap
VMA 1997 - Hypnotize - Melhor Video Clip
VMA 1998 - Mo' Money Mo' Problems - Melhor Música
VMA 2005 - Duets: The Final Chapter - Melhor Album do Ano
VMA 2005 - Nasty Girl - Melhor Música do Ano

PATROCINIO SOULGANGSTA STORE

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

TUPAC SHAKUR - A HISTÓRIA


Tupac Amaru Shakur (Nova Iorque, 16 de junho de 1971 - Las Vegas, 13 de setembro de 1996), mais conhecido pelos seus nomes artísticos 2Pac, Makaveli ou apenas Pac, foi um rapper estadunidense, Críticos e membros da indústria fonográfica o nomeiam como o maior Rapper de todos os tempos.Vendeu até à data da sua morte cerca de 75 milhões de álbuns. Além de ser músico, Tupac também foi ator e ativista social. A maioria das suas canções trata sobre como crescer no meio da violência e da miséria nos guetos, o racismo, os problemas da sociedade e os conflitos com os outros rappers. O trabalho de Shakur é conhecido por defender a igualdade política, económica, social e racial. Antes de entrar para a carreira artística, ele era um roadie e dançarino de hip hop alternativo. Começou a fazer sucesso quando entrou para o grupo Digital Underground.
Shakur tornou-se alvo de diversas ações judiciais e sofreu outros problemas legais. No início de sua carreira, ele foi atingido por cinco tiros e assaltado no corredor de um estúdio de gravação em Nova Iorque. Após o incidente, Tupac começou a suspeitar que outras figuras da indústria do rap ficaram sabendo do acontecido e não avisaram Shakur, o que desencadeou a rivalidade entre as costas Leste e Oeste. Mais tarde, Shakur acabou sendo condenado por abuso sexual e ficou preso durante onze meses, tendo sido liberado da prisão em um recurso financiado por Suge Knight, diretor executivo da Death Row Records. Em troca da ajuda de Suge, Tupac teve de gravar três álbuns sob o selo Death Row.
Na noite de 7 de setembro de 1996, Tupac, dentro do carro de Suge, foi atingido por quatro tiros em um tiroteio, na cidade de Las Vegas. Ele faleceu seis dias depois, vítima de insuficiência respiratória e paragem cardíaca, na Universidade Médica de Nevada. Após sua morte, o jornal americano The New York Times o citou como "o maior rapper de todos os tempos".
Tupac Amaru Shakur nasceu na seção East Harlem de Manhattan em Nova Iorque.
Sua mãe, Afeni Shakur, e seu pai, Billy Garland, eram membros ativos dos Panteras Negras em Nova Iorque no final dos anos 1960 e 1970; ele nasceu apenas um mês após a absolvição de sua mãe em mais de 150 processos de "conspiração contra o governo dos Estados Unidos.
Apesar de ser inconfirmado pela família de Shakur, muitas fontes (inclusive o relatório do médico legista) mostram seu nome de nascimento como "Lesane Parish Crooks". Este nome teria supostamente entrado em sua certidão de nascimento porque Afeni temia que seus inimigos pudessem atacar seu filho, e disfarçou sua verdadeira identidade usando um sobrenome diferente. Ela mudou isso depois de se separar de Garland e se casar com Mutulu Shakur.
Sofrimento e encarceramento rodeavam Shakur desde criança. Seu padrinho, Geronimo Pratt, um membro importante dos Panteras Negras, foi condenado pelo assassinato de uma professora durante um assalto em 1968, apesar da sentença ter sido revogada mais tarde. Seu padrasto, Mutulu, passou quatro anos na lista dos dez mais procurados do FBI começando em 1982. Mutulu era em parte procurado por ajudar sua irmã Assata Shakur (também conhecida como Joanne Chesimard) a escapar de uma penitenciária em New Jersey, onde estava presa por matar um policial em 1973. Mutulu foi pego em 1986 e preso pelo assalto de um caminhão blindado, onde dois policiais e um guarda foram mortos. Shakur tinha uma meia-irmã, Sekyiwa, dois anos mais nova do que ele, e um meio-irmão mais velho, Mopreme "Komani" Shakur, que se tornou rapper e apereceu em muitas das gravações de Pac.
Com doze anos de idade, Shakur se matriculou na 127th Street Repertory Ensemble do Harlem, um grupo de teatro, e foi escolhido como o personagem Travis Younger na peça A Raising in the Sun, que foi performada no Apollo Theater. Em 1986, sua família se muda para Baltimore, Maryland. Depois de completar seu segundo ano na Paul Laurence Dunbar High School, ele foi transferido para a Baltimore School for the Arts, onde ele estudou atuação, poesia, jazz e balé. Ele atuou em algumas peças de Shakespeare e também atuou como o Rei das Ratazanas em o Quebra-Nozes.
Shakur, acompanhado se seu amigo Dana "Mouse" Smith, seu beatboxer, ganhou na maioria das competições de rap em que participou e era considerado o melhor rapper da escola. Ele também foi lembrado como uma das crianças mais populares da escola devido ao seu senso de humor, habilidades de rap superiores, e capacidade de se misturar com todas as turmas. Pac também desenvolveu uma forte amizade com uma jovem Jada Pinkett (mais tarde Jada Pinkett Smith, após se casar com Will Smith), que durou até sua morte. Um poema escrito por 2Pac intitulado "Jada" apareceu em seu livro The Rose That Grew From Concrete, que incluia outro poema dedicado a ela chamado "The Tears in Cupid's Eyes".
Em Junho de 1988, Tupac e sua família se mudaram mais uma vez, dessa vez para Marin City, na Bay Area da California,[16] onde ele estudou na Tamalpais High School. Ele começou a frequentar as aulas de poesia de Leila Steinberg em 1989, que acabou se tornando sua mentora e empresária. Naquele mesmo ano, Steinberg organizou um concerto com uma ex-banda de Shakur, Strictly Dope; aquele show o levou a assinar um contrato com Atron Gregory que o colocou como roadie e dançarino do grupo de rap Digital Underground. Enquanto morando em Marin City, Tupac se envolveu com tráfico de drogas e devido a discussões com sua mãe, acabou saindo de casa e ficando sem teto por algum tempo, indo morar frequentemente na casa de amigos e de seu irmão Mopreme em Oakland.
2Pac estreou suas habilidades de rap na música Same Song, do Digital Underground em 1991. Depois, 2Pac lançou seu álbum de estréia, 2Pacalypse Now em 1991. O álbum permaneceu oculto por alguns anos e não foi lançado nenhum top ten hit. Mais tarde, foi a vez de Strictly 4 My N.I.G.G.A.Z. ser lançado, em 1993. Considerado seu primeiro álbum de sucesso, lançou dois hit singles, I Get Around com o Digital Underground e Keep Ya Head Up. O álbum e os singles levaram disco de ouro ainda no final de 1993.
Em março de 1995, seu terceiro álbum Me Against the World é lançado. Lançado enquanto Tupac estava servindo pena na prisão por agressão sexual, o álbum chegou direto ao primeiro lugar da Billboard 200, com 240.000 cópias vendidas na primeira semana. O álbum também veio com o primeiro top ten hit de 2Pac, Dear Mama, que chegou ao número nove da Billboard Hot 100. Em abril de 1995, 2Pacalypse Now já era disco de ouro e Strictly 4 My N.I.G.G.A.Z. e Me Against the World eram platina, sendo que no final do ano Me Against the World era platina dupla e Dear Mama platina.
Enquanto servia sua pena, Tupac se casou com a namorada Keisha Morris em 4 de abril de 1995; o casal se divorciou mais tarde em 1996.
Em outubro de 1995, o caso de Shakur estava em apelação, mas devido a todos os seus honorários advocatícios ele não podia juntar a fiança de US $ 1,4 milhões. Após servir onze meses de sua sentença de um ano e meio a quatro anos e meio, Tupac foi liberado da prisão Attica Correctional Facility graças a ajuda de Suge Knight, CEO da Death Row Records, que pagou a fiança de 1.4 milhões em troca de 2Pac assinar um contrato de três álbuns sob a Death Row.
Após a sua libertação, Tupac voltou rapidamente a gravar músicas. Ele fundou um novo grupo chamado Outlaw Immortallz. Tupac chegou imediatamente ao estúdio de gravação para gravar seu primeiro álbum sob a Death Row. A gravadora também rapidamente o rotulou como seu artista principal, ao lado de Snoop Doggy Dogg e Dr. Dre. Seu primeiro lançamento sob a gravadora, o single California Love, foi lançado no final de 1995.
Em 13 de fevereiro de 1996, Pac lança seu quarto álbum de estúdio, All Eyez on Me. Um sucesso instantâneo, o álbum foi direto para o número um da Billboard 200 com 566.000 na primeira semana, trazendo os singles How Do U Want It e California Love para o topo das paradas em julho de 1996. O disco foi uma partida geral dos assuntos de Me Against the World; enquanto aquele álbum era mais confissional e refetivo, esse álbum era mais como uma celebração da vida, cheio de músicas dançantes que apresentavam uma mentalidade mais bandida.
Ao mesmo tempo que Shakur aproveitava a vida como um dos mais importantes nomes do rap na época, ele também tinha problemas. A Death Row passava por tempos sombrios. A má reputação da gravadora subia a medida que Suge Knight tomava maior controle sobre os artistas, deixando Dr. Dre para trás. RBX e The D.O.C. haviam deixado a gravadora, que estava em uma tensa richa com outro ícone do rap, The Notorious B.I.G., sua gravadora Bad Boy Records e seus colegas de Nova Iorque. Tupac também se virara contra Dr. Dre, alegando que ele estava recebendo muito reconhecimento por trabalhos em que ele teve muito pouco ou não teve envolvimento. Esses acontecimentos levaram Dre a deixar a Death Row para fundar sua própria gravadora, a Aftermath Entertainment. Daz Dillinger, do Tha Dogg Pound, acabou assumindo o lugar de Dre na gravadora como produtor principal.
Durante o resto de seu contrato com a Death Row, Pac gravou centenas de músicas, que vieram a ser lançadas em seus álbuns póstumos. Ele também começou o processo de gravação de um álbum com o Boot Camp Click chamado One Nation.
Em 4 de julho de 1996, ele cantou ao vivo no House of Blues com Outlawz, Tha Dogg Pound e Snoop Doggy Dogg. Essa foi sua última performance ao vivo.
Na noite de 7 de setembro de 1996, Shakur foi assistir a uma luta de boxe entre Mike Tyson e Bruce Seldon, no MGM Grand, em Las Vegas. Após deixar a partida, um dos associados a Suge, Orlando Anderson, um membro da Southside Crips, discutiu com o rapper na portaria do ginásio, e os dois agrediram-se. Os aliados de Suge e Shakur assistiram à "luta", a qual foi filmada pelas câmeras de vigilância do local. Algumas semanas antes, Anderson e um grupo da Crips haviam roubado um membro da facção da Death Row, em uma loja Foot Locker, prevendo um ataque a Shakur. Após a briga, Tupac encontrou-se com Suge para ir a uma propriedade da Death Row. Então, entrou em um BMW E38 sedan, de propriedade de Suge.
Às 10:55 da noite, quando parou em um sinal vermelho, Tupac abaixou o vidro e um fotógrafo tirou sua foto. Aproximadamente, dez minutos depois, foram paradas por policiais, pois estavam com o som do carro muito alto e não estavam com a placa de licença. Então, Suge pegou as placas de dentro do porta-malas, e os dois foram liberados minutos depois sem serem multados. Por volta das 11:10, quando parou em um sinal vermelho no Flamingo Road, perto do cruzamento Koval Lane, em frente ao Hotel Maxim, um veículo ocupado por duas mulheres aproximou-se de Tupac, com o qual conversaram e convidaram para ir ao Clube 662. Aproximadamente cinco minutos depois, um Cadillac branco, modelo antigo, com um número de ocupantes desconhecido, se aproximou da BMW, abaixou o vidro da janela e disparou cerca de doze ou treze tiros contra Shakur. Ele foi atingido por quatro deles, acertando uma na cabeça, duas na virilha e uma na mão. Um dos tiros provavelmente ricocheteou no pulmão do rapper. Suge foi atingido na cabeça por estilhaços, mas acredita-se que a bala passou de raspão por ele.
Após chegarem ao local, policiais e paramédicos levaram Suge e o ferido mortal Shakur para o Centro Médico Universitário. De acordo com a entrevista de um dos melhores amigos do rapper, o diretor de vídeo Gobi, ele recebeu no hospital a notícia de um funcionário da Death Row avisando que os atiradores haviam chegado na gravadora e estavam a enviar ameaças de morte a Shakur, alegando que estavam indo para lá "acabar com ele". Ao ouvir isso, Gobi imediatamente avisou a polícia de Las Vegas, mas eles afirmaram estar sem policiais disponíveis e ninguém poderia ser enviado. No entanto, esta ameaça não foi concretizada. No hospital, Tupac esteve por momentos consciente e por outros inconsciente, tendo sido fortemente sedado, respirando através de um ventilador e um respirador. Foi colocado em máquinas de suporte à vida, e acabou por ser posto em um coma induzido por barbitúrico após repetidamente tentar sair da cama. Após ter sobrevivido a uma série de cirurgias - inclusive a da retirada do pulmão direito, mal-sucedida - Shakur submeteu-se a fase crítica da terapia médica, e foi dada uma chance de 50% de continuar vivo. Gobi saiu do centro médico após ter sido informado que o artista teve uma melhora de 13% na noite de sexta. Enquanto a Terapia Intensiva estava a ser realizada na tarde de 13 de setembro de 1996, Tupac faleceu de hemorragia interna; os médicos tentaram reanimá-lo mas não conseguiram impedir a propagação da hemorragia. Sua mãe, Afeni tomou a decisão de informar aos médicos para desligarem os aparelhos. Foi declarado morto às 4:03 da tarde (PDT). As causas oficiais da morte foram descritas como insuficiência respiratória e parada cardiorrespiratória, além dos múltiplos ferimentos das balas. O corpo de Shakur foi cremado. Mais tarde, um pouco de suas cinzas foram misturadas com maconha e fumadas por membros do grupo Outlawz.
Devido em grande parte à falta de provas oficiais, muitas investigações e teorias relacionadas ao assassinato surgiram. Por causa da rivalidade entre ele e The Notorious Big, houve desde o início especulações sobre a possibilidade da colaboração de Biggie no assassinato. Ele, assim como seus associados e sua família, negou veementemente a acusação. Em 2002, o escritor Chuck Phillips, do Los Angeles Times fraudulentamente alegou ter descoberto evidências envolvendo Biggie, além de Anderson e a Southside Crips no ataque.[35]. No artigo, Phillips citou fontes anônimas de um membro da gangue que alegou que Biggie tinha ligações com os Crips, muitas vezes contratando-os para a segurança durante as aparições na Costa Oeste. No entanto, em 2008, o LA Times publicou um documento oficial da história contada por Phillips. As fontes que o jornalista utilizou foram descobertas por The Smoking Gun e eram completamente fraudadas, o que implicou na demissão do empregado menos de cinco meses depois. Biggie foi assassinado em março de 1997.
A família de Biggie apresentou a MTV uma documentação declarando que o rapper estava trabalhando em um estúdio de gravação de Nova Iorque quando Tupac foi assassinado. Seu gerente Wayne Barrow e o cantor James "Lil' Cease" Lloyd afirmaram publicamente que Biggie não teve participação nenhuma no crime e ainda alegaram que estavam com ele no estúdio na noite do evento.
A violência das gangues das duas costas chamou a atenção do cineasta inglês Nick Broomfield, o qual fez o documentário Biggie & Tupac o qual examina a falta de progresso no caso, entrevista pessoas próximas aos dois rappers falecidos e os inquéritos. O amigo de infância de Shakur e membro do Outlawz Yafeu "Yaki Kadafi" Fula estava no comboio quando o assassinato ocorreu e indicou à polícia que ele poderia ser capaz de identificar os bandidos. Porém, foi baleado e morto pouco depois em um projeto de habitação em Irvington.
Um DVD intitulado Tupac: Assassination foi lançado em 23 de outubro de 2007, mais de onze anos após o assassinato do rapper. Ele explora os aspectos em torno do evento e oferece uma nova visão do caso, com detalhes do ambiente.


PATROCINIO SOULGANGSTA STORE

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

BONE THUGS & HARMONY


Bone Thugs-n-Harmony é um grupo de rap dos Estados Unidos formado em Cleveland, Ohio em 1991. É conhecido pelo seu estilo de rap harmonizado com os vocais. Em 1997, o grupo ganhou o Grammy Award pelo melhor desempenho de rap, com sua canção "Tha Crossroads". Desde sua criação nos anos 1990, o grupo foi honrado com outras numerosas premiações
. O grupo começou em 1987 com o nome de "The Band Aid Boys", formado por Layzie Bone, Krayzie Bone, Flesh-n-Bone (irmão de Layzie) e K-Chill. Usaram todo o dinheiro que tinham para fazer uma fita demo, porém não tiveram reconhecimento nenhum.
K-Chill abandonou o grupo e no lugar dele entraram Bizzy Bone e Wish Bone (primo de Layzie e Flesh). Em 1993 eles lançaram o seu primeiro álbum com o nome Faces of Death mas não foi muito conhecido. O grupo mudou algumas vezes de nome até se tornar Bone Thugs-n-Harmony.
Krayzie Bone decidiu que o grupo precisava de um padrinho, alguém que pudesse dar um empurrão ao Bone Thugs. Ele escolheu o rapper Eazy-E, líder do maior grupo de rap da época, o N.W.A. Em 1993 Eazy-E estava em Los Angeles fazendo shows. Os Bones juntaram todo o dinheiro e compraram passagens para lá, na esperança de falar com Eazy. Não conseguiram o tal encontro, mas conseguiram falar com ele pelo telefone, Krayzie Bone, a pedido de Eazy-E, cantou um verso pelo telefone mesmo, Eazy-E ficou impressionado com o talento, mas mesmo assim não chegaram a fazer qualquer tipo de acordo.
Depois de um certo tempo, Eazy-E foi fazer um show em Cleveland, então os Bone Thugs voltaram a sua cidade natal, e desta vez não poderiam deixar a chance escapar. E eles conseguiram, fizeram o acordo e se tornaram um grupo da Ruthless Records, gravadora que pertencia à Eazy-E.
1994 - 2002
Os Bone Thugs foram à Los Angeles para gravarem o seu mais novo álbum bancado por Eazy-E chamado Creepin on ah Come Up que foi lançado em 21 de junho de 1994. Sucesso total que repercutiu mundialmente, este álbum rendeu ao grupo dois singles e dois videoclipes, "Thuggish Ruggish Bone" e "Foe tha Love of $", com participação especial de Eazy-E. Na época este álbum vendeu mais de três milhões de cópias e o primeiro lugar disparado da Billboard.
Mas nem tudo foi como o grupo queria, em 26 de março de 1995 o mentor do grupo, Eazy-E, morreu devido à complicações do vírus HIV. Em 25 de julho do mesmo ano o grupo lança seu mais novo álbum, intitulado E 1999 Eternal, homenageando seu mentor e outras pessoas que morreram, na canção "Crossroad". East 1999 Eternal foi um marco em toda a música vendendo mais de cinco milhões de cópias (hoje está em mais de 12 milhões de cópias vendidas).
"Crossroad" rendeu ao Bone Thugs-n-Harmony um Grammy e fez com que o grupo entrasse para a história ao quebrar um recorde de 32 anos da canção "Can't Buy Me Love" de 1964, dos Beatles, pelo single que subiu mais rápido nas paradas de todo o mundo. No ano de 1997 o grupo lançou o álbum The Art of War, cujo a canção "Thug Luv" em parceria com Tupac Shakur tornou-se um clássico do álbum e do grupo. The Art of War vendeu 394 mil unidades em sua primeira semana de lançamento. Em 2000 sai BTNHResurrection, primeiro álbum do grupo lançado sem Flesh-n-Bone. Neste mesmo ano, Flesh-n-Bone foi preso e sentenciado a 11 anos de prisão por ameaçar um amigo com uma AK-47. Em 29 de outubro de 2002 é lançado o álbum Thug World Order.
O grupo hoje
No ano de 2005, Bizzy Bone por vários motivos foi expulso do grupo, principalmente por causa das drogas e álcool. No ano seguinte, saiu o álbum Thug Stories, lançado pela gravadora Koch Records. Em 2008, Bizzy lançou seu terceiro álbum solo, intitulado A Song for You. Em 8 de maio de 2007 é lançado o álbum Strength & Loyalty.
No dia 13 de julho de 2008 Flesh-n-Bone saiu da prisão. O grupo se reuniu com todos os membros em Los Angeles para um show de reunião. Bizzy Bone lançou seu mais novo trabalho, intitualado Back with the Thugz, e Krayzie Bone lançou uma mixtape de nome The Fixtape Vol. 2: Just One Mo' Hit, que conta com as participações de Keyshia Cole e Kevin Federline.
Estão para lançar um novo álbum em 2010, Uni-5: The World's Enemy, com os cinco integrantes reunidos. Ele foi lançado pela sua própria gravadora, BTNH Worldwide, com distribuição pela Warner Bros. O primeiro single, "See Me Shine", foi lançado em 20 de outubro de 2009, e o segundo chamado "Rebirth" foi lançado em 16 de fevereiro de 2010 juntamente com o seu videoclipe.Um terceiro single, "Meet Me in the Sky ", foi lançado em 22 de março. Uni-5: The World's Enemy esse lançado nesse ano de 2011.
Krazie Bone já não faz mais parte do Bone Thugs & Harmony

PATROCINIO SOULGANGSTA STORE




sexta-feira, 15 de julho de 2011

HISTÓRIA DO ETERNAL EAZY E



Eazy-E (nome artístico de Eric Lynn Wright, Compton, 7 de setembro de 1963 – Los Angeles, 26 de março de 1995) foi um rapper, produtor e empresário americano. Fez parte do lendário grupo N.W.A..
Wright nasceu em Compton, Califórnia, em 7 de setembro de 1963, filho de Richard e Kathie Wright.[1][2] Seu pai era um carteiro e sua mãe uma secretária de escola primária. Cresceu na periferia de Los Angeles convivendo com a violência e a pobreza, onde tornou-se um gangsta, tendo se tornado traficante membro Kelly Park Compton Crips. Eazy também se associou com crips de outros sets (posse). Em 1979, na época de estudante, largou a escola no 10º ano e começou a traficar para se sustentar. Eazy depois investiu seu lucro fundando a Ruthless Records. Ele mais tarde recebeu um diploma do supletivo.
Após isso, criou o grupo de gangsta rap N.W.A (Niggaz With Attitude, em português Negros Com Atitude ou Manos com Atitude). Ele era integrado por Eazy-E, Ice Cube (compositor), Dr. Dre, DJ Yella (produtores), MC Ren e Arabian Prince. O sucesso foi gigantesco, pois o grupo era independente e apesar do fato da mídia não apoiá-los, seu número de fãs aumentava a cada dia e suas músicas logo se tornaram hits nos guetos da Costa Oeste, Meio-oeste e no Sul dos Estados Unidos. Seguindo carreira com o N.W.A, Eazy lançou seu primeiro álbum solo em 1988, intitulado "Eazy-Duz-It".
O clássico "Fuck tha Police" do grupo NWA, acabou resultando em uma advertência do FBI, o qual através de uma carta, avisou a gravadora Ruthless Records que deveria maneirar nas letras. Este incidente foi considerado por muitos o pontapé inicial para a popularização do estilo Gangsta Rap.
Em 1991, o grupo N.W.A. chegou ao fim, e Eazy-E seguiu carreira solo em definitivo. No ano seguinte, lançou o seu segundo álbum, 5150: Home 4 tha Sick, o qual teve vendas em um número considerável. O álbum foi certificado ouro dois meses depois do lançamento. Mais tarde, Dr. Dre deixou a Ruthless Records e fundou a seu próprio selo ao lado de Suge Knight, a Death Row Records. Com isso, Eazy, que havia discutido com Dre ocasionando o encerramento da banda, decretou Dre seu inimigo e lançou o álbum It's On (Dr. Dre) 187um Killa, o qual conteve inúmeras ofensas a Dr. Dre e Snoop Dogg. "Real Muthaphukkin' G's" foi o destaque do CD, resposta à música Fuck With Dre Day de Dr. Dre e Snoop. O álbum foi certificado platina 2 vezes pela RIAA.
Em abril de 1994, Eazy-E estreou um programa numa rádio de Los Angeles intitulado The Ruthless Radio Show, o qual era apresentado nas noites de sábado, com a parceria de DJ Yella. No mesmo ano, produziu ao lado de DJ Yella o aclamado EP do grupo Bone Thugs-N-Harmony "Creepin on ah Come Up".
Eazy-E mantinha relações sexuais com inúmeras mulheres e nesta época, o vírus da AIDS começava a disseminar-se nos Estados Unidos. Teve sete filhos com seis mulheres diferentes. Ele contrariu o vírus HIV mas não sabia, sido que no dia 24 de fevereiro de 1995, Eazy-E estava em estúdio com a dupla de rappers B.G. Knocc Out & Gangsta Dresta, quando sofre um provável ataque de asma, e é internado no Hospital Cedars-Sinai Medical Center, em Los Angeles, Califórnia. Quando a situação parecia sobre controle, Ron Sweeney, procurador do artista, afirma publicamente que ele contraiu o vírus HIV.
“Muita gente não sabe, mas no dia em que o Eazy foi parar no hospital, eu estava com ele no estúdio. Eazy tinha uma rima pra mandar no som DPG/Killa, então, eu estava com ele no estúdio só esperando ele mandar ver. Só que antes que ele pudesse gravar, deu um ataque nos pulmões e ele mal conseguia respirar. Isso foi na noite anterior ao resultado do diagnóstico apontar bronquite, então, ele voltou do médico com uns inaladores enormes. Ele tentou usar os inaladores, mas não adiantou. Quando a situação dele piorou, eu chamei seus guarda-costas pessoais, e eles o levaram de volta ao hospital. Dez dias depois meu amigo estava morto.   ”
—BG Knocc Out, em entrevista, 2006
No dia seguinte, as primeiras páginas dos jornais estampavam a notícia sobre o rapper, sendo que Eazy-E continuava internado no que para ele, era "a maior batalha da vida". O vírus complicou no corpo dele, e no dia 26 de março do mesmo ano, a morte é anunciada. Em seu leito de morte, B.G Knocc Out afirmou que Eazy-E disse suas últimas palavras direcionadas a ele, sendo elas as seguintes: "Seja o próximo Eazy-E…". Outro fato curioso é que no leito da morte seus "inimigos" Dr. Dre e Snoop Dogg, resolveram fazer pazes com Eazy, assim como Ice Cube, apesar de DJ Yella afirmar que foi o único a visitar Eazy no hospital. Os mesmos fizeram vários tributos a Eazy ao passar dos anos.
Após a morte de Eazy-E diversas coisas mudaram de rumo. A sua gravadora, a Ruthless Records, tornou-se peça principal para o sucesso da banda Bone Thugs-n-Harmony, e também da esposa de Eazy-E, Tomica Woods Wright. Na disputa pelo selo, ambos entraram na justiça, com a vitória de Tomica, a qual demitiu vários funcionários devido a má administração. Após a sua morte foi lançado o CD póstumo: "Str8 off tha Streetz of Muthaphukkin Compton", o qual foi produzido por DJ Yella. Mais além, foi a vez de "Eternal E".
Dois de seus filhos hoje são rappers; um usa o nome artístico de Lil Eazy-E, e outro é sua filha, que gravou uma música em tributo ao pai. Lil' Eazy-E fez músicas com The Game e participou da trilha sonora do jogo True Crime com a música Get It Crackin. No videoclipe da música "Um Bom Lugar" do cantor brasileiro Sabotage, uma foto de Eazy-E aparece em um mural. Ryder Wilson, um personagem do jogo Grand Theft Auto: San Andreas foi inspirado no rapper Eazy-E e os produtores do jogo comprovam que Ryder foi criado em homenagem ao rapper. Foi criado em 2008 na cidade natal do cantor, em Compton, o "Dia de Eazy-E", celebrado em 7 de abril.
Discografia
Ao todo, Eazy-E lançou 3 álbuns durante sua vida, 2 álbuns póstumos, 2 compilações e 4 álbuns em tributo e vendeu pouco mais que 10 milhões de álbuns pelo mundo todo.
Álbuns com o N.W.A
1987: N.W.A. and the Posse
1988: Straight Outta Compton
1990: 100 Miles and Runnin'
1991: Efil4zaggin
1996: Greatest Hits
1999: The N.W.A. Legacy, Vol. 1: 1988-1998
2002: The N.W.A. Legacy, Vol. 2
Álbuns solo
1988 Eazy-Duz-It
1995 Str8 off tha Streetz of Muthaphukkin Compton
1992 Home 4 Tha Sick
1993 It's On (Dr. Dre) 187um Killa
2002 Impact of a Legend
Compilações
1995: Eternal E (RIAA –  Ouro)
2007: Featuring...Eazy-E
Álbuns em tributo
2005: Eternal E - Gangsta Memorial Edition
2005: Compton City All Stars
2006: In Loving Memory
2007: Featuring...Eazy-E


PATROCINIO SOULGANGSTA STORE

segunda-feira, 30 de maio de 2011

OS 9 ELEMENTOS DA CULTURA HIP HOP POR KRS-ONE


Nova York, 21 de maio de 2006

As redefinições [N.T.: KRS-One refere-se a ´refinitions`, um termo criado por ele, unindo as palavras redefinições e definições] que irei apresentar são uma coleção realizada pela organização Temple of Hip-Hop (Templo do Hip-Hop) dos termos culturais e códigos do hip-hop, desenhados para proteger, preservar e estabelecer um Espírito comum para o hip-hop e aumentar a auto-estima dos verdadeiros hip-hoppers. Outras organizações da cultura podem praticar um diferente conjunto de elementos e termos. Contudo, nossas redefinições permanecem como uma ferramenta fundamental de ensino. Através desse ´corpus de conhecimento` nós promovemos nossa auto-estima como especialistas culturais do hip-hop.

Breaking (estudo e aplicação das formas de dança de rua)
Comumente chamado de Break Dancing ou B-Boying, ele agora inclui formas de dança que já foram independentes: Up-Rockin, Poppin e Lockin, Jailhouse ou Slap-Boxing, Double Dutch, Electric Boogie e a arte marcial da capoeira. Também se refere comumente a uma dança de rua de estilo livre (freestyle).

Os praticantes do Breaking tradicional são chamados B-Boys, B-Girls ou Breakers. Os movimentos do Breaking são comumente usados em aeróbica e outros exercícios que refinam o corpo e aliviam o estresse. Dança e outros movimentos corporais rítmicos aparecem na gênese da consciência humana. A dança também é uma forma de comunicação.

MCing (estudo e aplicação da fala rítmica, poesia e/ou discurso divino)
Comumente referido como rappin ou rap. Seus praticantes são conhecidos como MCs (Emcees) ou rappers. O MC é um poeta do hip-hop, que direciona e move a multidão rimando ritmicamente na palavra falada. O MC é um porta-voz. Tecnicamente, o MC é uma criação da sua comunidade, enquanto o rapper é uma criação das grandes corporações e gravadoras. A palavra MC vem da forma abreviada de Mestre de Cerimônias. Em seu sentido tradicional, MC se referia ao anfitrião de um evento, o mestre de uma cerimônia ou festa. Em seu sentido antigo, o MC buscava rezar ou se comunicar com Deus. Era usado pelos gregos para comunicar-se com seus oráculos e rezar para seus deuses.

As mais antigas formas de MCing foram feitas pelos antigos pastores, sábios e filósofos da África e da Ásia. Mais tarde, na história, essa antiga arte seria praticada pelos griots africanos e djelis, que iam de vila em vila ensinando (ou melhor, encenando) história e importantes lições de vida aos mais jovens.

[N.T.: Nas palavras da amiga Luciane Ramos Silva, antropóloga versadíssima em História da África: "djeli é o/a responsável pela transmissão das tradições orais - genealogias, estórias, costumes e éticas. São como senhores da palavra. Em geral, esse saber é transmitido através das gerações, então existem famílias com "sobrenomes" de griots (outra forma de designá-los, neste caso, termo em francês). Por exemplo, o ator Sotigui Kouyaté, que faleceu ano passado, e foi por muito tempo da Cia do Peter BRooke, era um djeli. O filho dele, Hassane Kassi Kouyaté, está em Sampa (Sesc Ipiranga) fazendo um trampo que navega entre palavra, corpo, tempo e espaço. Bom, mas essa é outra história. Tenho poucas referências de djelis mulheres. Mas há uma, Yandé Codou, que foi a griotte do Senghor, primeiro presidente do Senegal. Há um documentário sobre ela."]

O MCing (ou discurso ritmado/a fala divina) também aparece na gênese da consciência humana. É a linguagem do coração. Os primeiros hip-hoppers transformaram a figura tradicional do Mestre de Cerimônias para incluir formas de participação da multidão e poesia. Hoje, o MC procura ser um mestre da palavra falada, não apenas o melhor rapper ou poeta.

O MCing, se entendido da maneira apropriada, manipula o ar através da vibração sonora numa tentativa de alterar ou expandir a consciência. Os MCs também ministram palestras e outras formas de instrução pública. A maioria dos MCs se avaliam conforme sua habilidade de agitar uma festa/evento, falar claramente e/ou contar uma boa história.

Saiba isso: um MC talentoso quase sempre se torna um rapper respeitado, mas um rapper talentoso normalmente nunca se torna um MC respeitado. O MC se expressa através da rima que já está em sua mente, enquanto o rapper te conta tudo sobre  ele mesmo. Verdadeiros MCs devem estudar ambos os estilos para ter o máximo do sucesso.

A arte do MCing foi popularizada por pessoas como Cab Calloway, Coke La Rock, Pebblie Poo, Sha Rock, Chief Rocker Busy Bee, Keith Cowboy, Melle Mel, Grandmaster Caz, Rakim, Queen Lisa Lee, Slick Rick, Big Daddy Kane, MC Lyte, Muhammad Ali, e outros.

Graffiti Art (estudo e aplicação da caligrafia de rua, arte e escrita à mão)
Comumente chamada de arte do aerosol, writing, piecing, burning, graff [N.T.: write: escrever; piece: peça; burn: queimar] ou murais urbanos. Outras formas dessa arte incluem bombing e tagging [N.T.: o tag pode ser considerado o irmão mais velho da pichação brasileira]. Seus praticantes são conhecidos como escritores, escritores de graffiti, artistas do aerosol, grafiteiros ou artistas do graffiti. [N.T.: para melhor entendimento das diferenças entre os termos, recomendo os seguintes sites: terminologia do graffiti; a arte do graffiti].

Também na gênese da consciência humana, escrever em muros, árvores, pedras, roupas etc. tem um papel importante no desenvolvimento da inteligência humana e da auto-expressão. A maioria das crianças do gueto instintivamente aprende a escrever praticando nos muros. Os antigos humanos, dos tempos pré-históricos, punham certamente suco de frutas [berry] em suas bocas e sopravam ou cuspiam suas imagens em paredes de cavernas, às vezes em total escuridão, da mesma forma como os modernos grafiteiros dos anos 70 ou 80 fariam com suas latas de spray nos trens suburbanos.

Hoje, os grafiteiros procuram ser mestres da escrita à mão e da arte. Os artistas do graffiti se avaliam conforme sua habilidade de escrever e/ou contar uma boa história. Muitos se tornaram artistas gráficos, designers de moda, fotógrafos, diretores de arte e de cinema.

Saiba isso: o graffiti como arte não é vandalismo! Tradicionalmente, a palavra graffiti se originou do termo ´graffito`, significando um risco. Daí sua conexão com a arte dos DJs (o grafiteiro é um DJ visual). Assim, o graffiti foi um termo dado à arte gráfica do hip-hop, quando ela aparecia legal e ilegalmente em propriedade privadas e públicas como um ato de protesto social (especialmente em trens de subúrbio). Da mesma forma que o MCing foi rotulado de rap e o Breaking foi rotulado break dancing, o graffiti foi o rótulo para designar o writing, bombing, piecing, burning e tagging. 

O escrito ou desenho do graffiti é cuidadosamente desenhado, riscado, ou espirrado sobre uma superfície e foi popularizado por pessoas como Taki 183, Phase 2, Stay High 149, Kase 2, Lee, Chico, Cope 2, TATs Cru, Presweet, Iz the Wiz, Seen, Quik, O.E., Revolt, Dondi, Zephyr, Futura 2000, entre outros.

DJing (estudo e aplicação da produção da música rap e difusão por rádio)
Comumente se refere ao trabalho de um disc jockey. Contudo, o disc jockey do hip-hop não toca simplesmente discos de vinil, fitas e CDs. Os deejays do hip-hop/rap interagem artisticamente com a execução de uma canção gravada, cortando, mixando e riscando a canção em todos os seus formatos gravados.

Mesmo além da música e outras formas de entretenimento, o DJing, como um conhecimento consciente, não apenas inspira nosso estilo de instrumentação musical, mas também expressa o desejo e a habilidade para criar, modificar e/ou tranformar a tecnologia musical. Seus praticantes são conhecidos como turntablistas, deejays, mixologistas, grandmasters, mixmasters, jammasters, e funkmasters.

Assim, o Disc Jockey pode ser considerado um apresentador de música gravada e foi popularizado por pessoas como El Marko, Kool DJ Herc, Afrika Bambaataa, Jazzy Jay, Grand Master Flash, Grand Wizard Theodore, Kool DJ Red Alert, DJ Cash Money, Marley Marl, Brucie B, Chuck Chillout, Kid Capri, Afrika Islam, Jam Master Jay, entre outros.

Beatboxing (estudo e aplicação da música corporal – body music)
Comumente se refere ao ato de criar sons rítimicos com várias partes do corpo, particulamente a garganta, boca e mãos. Seus praticantes são conhecidos como ´Caixas de Ritmo Humanas` (Human Beatboxes) ou Orquestras Humanas. Assim, o Beatboxing é, basicamente, usar o corpo como um instrumento. Versões mais antigas dessa expressão incluem o Handbone ou Hambone. Contudo, o moderno Beatboxing se origina do ato de imitar as primeiras baterias eletrônicas (drum machines). As primeiras baterias eletrônicas foram algumas das ´caixas de batida` originais e, engenhosamente imitá-las, foi o que primeiro se chamou Beatboxing. Contudo o antigo Beatboxing era a habilidade de imitar os sons da natureza com as próprias partes do corpo. 

O Beatboxing não é apenas uma forma de comunicação, é também achado na gênese da consciência humana. De fato, imitar os sons da natureza (ou do ambiente natural de alguém) é algo que está no início da comunicação humana, do conhecimento e sobrevivência. 

Popularizado por Doug E. Fresh, Biz Markie, The Fat Boyz, DMX, Greg Nice, Bobby McFerrin, Emanon, Click the Super Latin, K-Love, Rahzel, entre outros.

Conhecimento de rua (estudo e aplicação da sabedoria ancestral)
Comumente se refere ao senso comum básico e a sabedoria acumulada das famílias do gueto. Consiste de técnicas, frases, códigos e termos usados para sobreviver no gueto. Envolve também a habilidade de raciocinar lógicamente com ou sem as ideias ou a validação do mainstream acadêmico tradicional. A sabedoria de rua é a acumulação do auto-conhecimento cultural do hip-hop.

Seus praticantes são conhecidos como hip-hoppers, bem como sisters, brothers, goddesses, gods, mothers, fathers, teachers, queens, kings, princesses, princes, lords e divine (em português: irmãs, irmãos, deusas, deuses, mães, pais, professores, rainhas, reis, princesas, príncipes, lordes e divinos/divindades).

Contra o mito de que o conhecimento só é acumulado em ambientes acadêmicos quietos e ordenados, muito do conhecimento comunitário do hip-hop pode ser achado em seus comediantes, poetas e autores. Os hip-hoppers aprendem e transferem conhecimento através da diversão, no entretenimento. A sabedoria de rua é o conhecimento de como sobreviver na vida urbana moderna.

Popularizada por Malcolm X, Dr. Cornell West, Martin Lawrence, Afrika Bambaataa, Clarence 13X, Ministro Louis Farrakhan, Kwame Toure, Chuck D, Nas, Dick Gregory, Chris Rock, Tupac Shakur, The Wayans Brothers, Sista Souljah, entre muitos outros. 

Linguagem de rua (estudo e aplicação da comunicação de rua)
Comumente referida como inglês negro, jargão/dialeto urbano e ebonics (de ´ebony phonics` - sons negros/sons de ébano). É a linguagem do hip-hop e os códigos linguísticos. A comunicação verbal das ruas.

A linguagem de rua avançada inclui a correta pronúncia da linguagem nacional e nativa da forma como ela pertence à vida no gueto. Adicionalmente, a linguagem de rua avançada lida com a comunicação para além do que a pessoa diz. A linguagem de rua não é sempre discurso falado. A linguagem de rua do hip-hop inclui, certamente, códigos de rua que podem não ser comunicados totalmente por palavras.

Pode-se dizer, ainda, que a linguagem de rua (da forma como pertence ao campo da palavra falada) é a tentativa do hip-hop de se libertar do confinamento da linguagem-padrão e de pontos de vista padronizados sobre a realidade. O inglês (por exemplo) não tem suficientes palavras ou definições para descrever como nós (hip-hoppers) sentimos o mundo. Isso é o que faz com que nossa linguagem (jargão/dialeto - slang - gíria) de rua seja tão importante para nossa liberdade.

A linguagem de rua ajuda os hip-hoppers a interpretar seu mundo da sua própria forma e foi popularizada por Richard Pryor, Martin Lawrence, The Last Poets, Chris Rock, The Watts Poets, James Brown, Gil Scott Heron, E-40, DJ Hollywood, Lovebug Starsky, Nas, Fab 5 Freddy, Frankie Crocker, entre outros.

Moda de rua (estudo e aplicação de tendências e estilos urbanos/street fashion)
Comumente se refere a tendências de roupas do gueto. Contudo, a moda de rua lida com todas as tendências e estilos da cultura hip-hop. A auto-expresão através da moda de rua é um importante modo de apresentar a identidade do hip-hop ao mundo. A moda de rua representa a proeminência de todos os códigos culturais do hip-hop, formas e tradições. 

Não apenas a moda é uma forma de comunicação muito antiga, mas nossa consciência expressa era (e ainda é) também representada no modo como nos adornamos, colorimos e vestimos a nós mesmos.

Popularizada por grupos e pessoas como os The Black Spades, The Black Panthers, The Crips, The Bloods, Jew Man, Ron 125th, Dapper Dan, Shirt Kings, Lugz, FUBU, Karl Kani, Sean Jean, Wu Wear, Fat Joe 560, Phat Farm, entre outros.

Empreendedorismo de rua (estudo e aplicação do mercado justo – fair trade – e do gerenciamento dos negócios do hip-hop)
Comumente referido como mercado de rua, ´having game`, ´the natural salesman` ou ´smooth diplomat` [N.T.: obviamente, isso é linguagem de rua – não consegui encontrar o sentido em dicionários normais. Se algum leitor souber, faça a gentileza postar como comentário]. É a disposição de se engajar na criação de um empreendimento que está na raiz das práticas de negócio. Muito da aprendizagem do hip-hop começa aqui.

Diferente do empreendedorismo, que pode incluir as técnicas e práticas empresariais, o empreendedorismo de que falo foca o espírito de motivação de se auto-empregar, de ser inventivo, criativo e auto-instruído [N.T.: KRS-One diferencia entrepreneurism de entrepreneurialism].

É este espírito; o espírito da auto-criação, a urgência em criar e vender seus próprios talentos, descobertas e invenções, que é encorajada por esses ensinamentos. Seus praticantes são conhecidos como ´hustlers` e ´self-starters`. Empreendedor: uma pessoa criativa automotivada, que sustenta uma iniciativa comercial.

Popularizado por pessoas como Madame C.J. Walker, Russell Simmons (Def Jam), Luther Campbell, Sean Puffy Combs (Puff Daddy), Jack the Rapper, Robert Townsend, Eazy-E, Too Short, entre outros.

PATROCINIO SOULGANGSTA STORE

quarta-feira, 23 de março de 2011

ATENÇÃO DECLARAÇÃO DE PAZ DO HIP HOP



Declaração de Paz do Hip Hop foi entregue à Organização das Nações Unidas em 16 de Maio de 2001. Foram coletadas assinaturas por várias organizações, tais como: O Templo do Hip Hop, Ribbons Internacional, UNESCO e também por 300 ativistas do Hip Hop, pioneiros e delegados da ONU.
Em primeiro lugar, o documento reconhece o Hip-Hop como uma cultura internacional de paz e prosperidade.É também um conjunto de princípios que orientam todos Hip-Hoppers sob uma forma de sustentar o caráter pacífico da Kultura Hip Hop e formar e buscar a paz mundial.
Além disso, esta declaração destina-se a mostrar o Hip-Hop como um fenômeno positivo que não tem nada em comum com a imagem negativa esteriotipada do Hip Hop sendo apresentada atualmente como algo que corrompe os jovens e por ventura incentivam-los a irem contra a lei e a sociedade. KRS One, Pop Master Fabel, Afrika Bambaataa, Ralph Mc Daniels e Harry Allen foram algumas das pessoas que tiveram sua participação na criação da declaração.
A Declaração de Paz do Hip Hop
Esta Declaração de Paz do Hip Hop tem como intuito orientar e estabelecer a paz em direção à liberdade contra a violência, o mesmo estabelece o conselho e proteção para a existência dos desenvolvimentos das comunidades internacionais do Hip Hop. Através dos princípios da Declaração de Paz do Hip Hop. Nos da Cultura Hip Hop, estabelecemos uma fundação de saúde, amor, consciência, riqueza, paz e prosperidade para nós mesmos, nossos filhos , filhos de seus filhos e geracão posteriores para sempre.
Para o esclarecimento do significado do Hip Hop e seus efeitos, ou mesmo quando a intenção de Hip Hop é questionada, ou ate mesmo quando os litigious e as disputas entre as partes acabam surgindo entre si sobre a questão do Hip Hop. Hiphopers terão acesso aos pareceres do presente documento, a Declaração de Paz do Hip Hop, como orientação, aconselhamento e proteção para todos.
Primeiro Princípio
Hip Hop é um termo que descreve a nossa consciência coletiva independente. Sempre em crescimento, ela geralmente expressa através de elementos como o Break, Emicis, a arte do grafiti, D.J., Beatbox, A Moda Urbana, A linguagem das Ruas, Conhecimento das Ruas, e Empreendedorismo. Sempre e sempre presente em rumo ao futuro os elementos e as expressões se manifestam representando a Cultura Hip Hop. A Declaração de Paz do Hip Hop deve aconselhar o uso e a interpretação de tais elementos, expressões e estilo de vida.
Segundo Princípio
A Cultura Hip Hop respeita a dignidade e a santidade da vida, sem discriminação ou preconceito. Hip Hopers devem considerar cuidadosamente a proteção ao desenvolvimento da vida, sem que a decisão individual de a destruir ou procurar alterar o curso do seu desenvolvimento natural.
Terceiro Princípio
A Cultura Hip Hop respeita as leis e os acordos de sua cultura, seu país, suas instituições e com quem fazem negócios ou transações com ele. Hip Hop não viola as leis de forma irresponsável ou sem compromissos.
Quarto princípio
Hip Hop é um termo que descreve a nossa consciência coletiva independente. Como uma forma de vida consciente, reconhecemos a nossa influência na sociedade especialmente nas crianças e nos mais jovens, e continuaremos mantendo sempre os direitos e o bem estar tanto físico mas também mantendo uma mente saudável. A Cultura Hip Hop incentiva a feminilidade, a masculinidade, a irmandade, a fraternidade, a infância e a família. Nós não somos propositalmente conscientes no sentido de trazer qualquer forma de desrespeito ou abuso intencional que ponha em pauta e risco a dignidade e a reputação das nossas crianças, anciãos ou idosos e antepassados.
Quinto Princípio
A capacidade de definir, defender e educar é encorajada, desenvolvida, preservada, protegida e promovida como um meio para a paz, prosperidade e para a proteção e o desenvolvimento da nossa auto-estima. Através do conhecimento da finalidade e do desenvolvimento da nossa natural e habilidades aprendidas, Hiphopers são incentivados a sempre apresentar seus melhores trabalhos e idéias.
Sexto Princípio
Hip Hop não honra qualquer relação, pessoa, acontecimento, ou onde a preservação e desenvolvimento da cultura Hip hop sege manipulada para diferentes fins que não sejam os reais aos princípios do verdadeiro Hip Hop, ou ate mesmo onde os princípios e os elementos não são considerados e respeitados. A Cultura Hip Hop não participa em atividades que claramente alterem seus valores ou destruam a sua capacidade de existir pacífica e produtiva. Hiphopers são encorajados a iniciar e participar de negócios com honestidade em todas as negociações e transações feitas no presente e no futuro a serem realizadas.
Sétimo Princípio
A essência do Hip Hop esta além do entretenimento: Os elementos do Hip Hop podem ser trocados por dinheiro, honra, poder, respeito, alimento, abrigo, informações e outros recursos. Porem no entanto. O Hip Hop não pode ser comprado, nem está à venda. Não podem ser transferidos ou trocados por qualquer pessoa ou por qualquer compensação em qualquer momento ou em qualquer lugar. Hip hop é um princípio de valores inestimável, incalculável da nossa auto-capacitação. Hip Hop não é um produto descartável.
Oitavo Princípio
Companhias, corporações e organizações sem e não fins lucrativos. Indivíduos e grupos que claramente buscam a se beneficiem da utilização, interpretação, ou mesmo a exploração do Hip hop, suas expressões e terminologias do Hip hop, são incentivados e em alguns casos obrigados a uma comissão ou contratar por um tempo integral ou ate mesmo meio período de tempo parcial certificada que exista um especialista do Hip Hop cultural para interpretar e responder sensíveis questões e perguntas culturais em relação aos princípios e à apresentação adequada do Hip Hop num todo expondo os elementos, explicando a cultura em relação às empresas, indivíduos, organizações, comunidades, cidades, e ate mesmo palestras educativas em outros países.
Nono Princípio
O dia 03 de maio é o dia internacional da música Rap. Hiphopers são incentivados a dedicar o seu tempo e seus talentos para o auto-desenvolvimento e para o serviço às suas comunidades. Toda terceira semana de maio é a Semana de Apreciação ou Homenagem da Cultura Hip Hop. Durante este tempo, Hiphopers são incentivados a honrar os seus antepassados, a refletirem sobre as suas contribuições culturais e apreciar os elementos e os princípios da Cultura. Novembro é mês da História do Hip Hop. Durante este tempo Hiphopers são incentivados a participar na criação, aprendizagem e honra da história do Hip Hop e seus históricos contribuintes culturais.
Décimo Princípio
Hiphopers são incentivados a construir relações significativas e duradouras que se baseiem no amor, confiança, igualdade, entendimento e respeito. Hiphopers são incentivados a não trair, abusar ou enganar os seus amigos.
Princípio Décimo-Primeiro
A comunidade Hip Hop existe como uma cultura internacional de consciência que fornece todas as raças, tribos, religiões, pessoas e diferentes estilos Uma fundação voltada para incentivar a comunicação das suas melhores idéias e obras. O Hip Hop em si é unido por pessoas multi-qualificados, de diferentes ramos multi-culturais, multi-religiosas, pessoas de diferente ambientes multi-raciais, comprometidas com o estabelecimento e o desenvolvimento da paz.
Princípio Décimo Segundo
A Cultura Hip Hop não participa intencionalmente ou voluntariamente, em qualquer forma de ódio, fraude, preconceito ou roubo sequer em nenhum momento. Em nenhum momento o Hip Hop deve exercer qualquer forma violenta de guerras dentro de si. Aqueles que dolosamente violarem os princípios da presente Declaração de Paz ou internacionalmente rejeitem o seu conselho perderão, devido às suas próprias ações a proteção nele previsto.
Princípio Décimo Terceiro
A Cultura Hip Hop rejeita o impulso imaturo de qualquer ato injustificado de violência , e procura sempre uma solucao diplomática, não-violenta de estratégias na resolução de todas as disputas. Hiphopers são encorajados a considerar o perdão e compreensão antes de qualquer ato de retaliação. A guerra é reservado como uma solução final, quando há evidências de que qualquer outro meio de negociações diplomáticas falharam repetidamente.
Princípio Décimo Quarto
Hiphopers são encorajados a eliminar a pobreza, falar contra a injustiça e criarem uma sociedade mais solidária e um mundo mais pacífico. A Cultura Hip Hop suporta um diálogo e uma ação que cura as divisões na sociedade, aborda as preocupações legítimas da humanidade e faz avançar a a causa da paz.
Princípio Décimo Quinto
Hiphopers devem respeitar e aprender com as formas da natureza, independentemente de onde estivermos neste planeta. A Cultura Hip Hop considera sagrado o nosso dever de contribuir para nossa própria sobrevivência como independentes, livres em pensamentos e a todos os seres do Universo. Este planeta, vulgarmente conhecida como a Terra é a nossa mãe também de leite maternal. Hiphoppas são encorajados a respeitar a natureza e todas as criações e seres vivos habitantes da natureza.
Princípio Décimo Sexto
Os pioneiros do Hip Hop, lendas, sábios, mais velhos e antepassados não devem ser citados inadequadamente, mal representados , ou sequer em nenhum momento serem desrespeitados . Ninguém deve professar a ser um pioneiro Hip hop ou lenda a menos que possam provar com fatos, testemunhas a sua credibilidade e contribuição para a Cultura Hip Hop.
Princípio Décimo Sétimo
Hiphopers são encorajados a compartilharem seus recursos com os demais. Hiphopers devem doarem livremente e frequentemente seus como e na medida do possível. É um dever de todos os Hiphopers em ajudarem sempre que possível, o alívio e o sofrimento humano na correção da injustiça existente. A forma mais honrada pelo Hip Hop é mostrar o maior humildade respeito mutuo. Os Hiphopers devem se respeitarem mutuamente . A Cultura Hiphop é preservada, nutrida e desenvolvida quando os Hiphopers a preservam, ajudando e desenvolvendo um ao outro.
Princípio Décimo Oitavo
A Cultura Hip Hop deve ser mantida de uma forma saudável, rica , sem pobreza de espírito. Temos o dever plenamente consciente de investir com o poder de promover, ensinar, interpretar, modificar e defender os princípios da presente Declaração de Paz do Hip Hop.


PATROCINIO SOULGANGSTA STORE